Leia mais

Para ler o que foi publicado aqui (antes e/ou depois) sobre o assunto de um artigo , clique num dos marcadores ao final dele. Veja ao final desta tela, uma lista dos artigos mais populares.

22 junho, 2009

Política Cultural em discussão - 8 - Jorcelino revelou o verdadeiro caminho das verbas

Já elogiei a iniciativa da Agepel com a realização do Fórum. Também disponibilizei documentos que comprovam a falta de diálogo com os artistas que imperava na gestão anterior e reproduzi as reportagens de O Popular sobre o Fórum ( consulte os artigos anteriores nesta série).

Faltou um comentário rápido sobre a cobertura, que faço agora. Foi pena o jornal não ter escalado Edson Wander. É ele o autor da maioria das matérias sobre política cultural publicadas no jornal. Inclusive a última, histórica, sobre o Centro Cultural Oscar Niemeyer. Como acompanha o assunto há tempos, seria o profissional mais talhado para a tarefa.

A matéria sobre o terceiro dia, o mais polêmico, deixou de registrar três fatos importantes: duas declarações de Jorcelino Braga, Secretário da Fazenda, e uma de Linda Monteiro, Presidenta da Agepel.

Começando pelo fim: Linda declarou que proibiu os servidores da Agência de inscreverem projetos na Lei Goyazes, acabando com essa prática de flagrante conflito de interesses.

Jorcelino primeiro confirmou as informações que o Popular dera dias antes, sobre o valor gasto na obra do Centro Cultural Oscar Niemeyer e o desacordo existente com a construtora sobre o valor a ser pago para seu término, estando a obra em análise no TCE.

Mas foi a segunda declaração do Secretário a mais contundente: ao comentar a necessidade de definir um valor para o apoio à cultura, ele afirmou saber que qualquer valor seria baixo, diante das necessidades da área, mas era preciso uma definição. No entanto, esses valores seriam sempre irrisórios diante da questão que preocupava o governo: os quase 4 bilhões em incentivo à CAOA, para gerar 500 empregos.

O jornal Opção, que tinha um repórter presente, não deixou passar a oportunidade. As declarações de Braga foram tratadas em 3 edições, gerando duas manchetes.

Na edição seguinte registrou a declaração de Braga sobre o Niemeyer. Na posterior, sua manchete foi um relatório do TCE detalhando as investigações feitas pelo órgão desde a inauguração da obra (publicadas no site do tribunal no dia seguinte - dois anos e meio depois deste blog destacar o aumento no custo). Mais uma edição, outra manchete: entrevista com o Procurador de Contas do TCE, Fernando Carneiro, com detalhes sobre o caso CAOA.

E eu, que pensava que o caminho das verbas levava à CELG.

Voltarei ao assunto.

Nenhum comentário:

Postar um comentário