Leia mais

Para ler o que foi publicado aqui (antes e/ou depois) sobre o assunto de um artigo , clique num dos marcadores ao final dele. Veja ao final desta tela, uma lista dos artigos mais populares.

24 outubro, 2006

Em boa companhia

Luis Nassif, em sua coluna econômica de hoje, A Nova Era da Comunicação, identifica na repercussão do episódio das fotos do dossiê um marco na democratização da informação no Brasil, como eu havia apontado em A tecnologia revoluciona -a província nunca mais será a mesma. Confira um trecho da coluna:
Os fatos foram denunciados na reportagem de Raimundo Pereira na “CartaCapital”. Através dela, se fica sabendo da existência da gravação da conversa do delegado com os jornalistas.

Em outros tempos, o assunto morreria por ali. Não haveria repercussão da reportagem, e a gravação do delegado no máximo circularia por algumas redações de forma quase clandestina.

O advento dos blogs e da Internet inverteu a lógica. Em pouco tempo, a matéria de Raimundo passava a repercutir em vários blogs. Os leitores passaram a descarregar a ira contra a encenação na parte de comentários. A repercussão foi tal que obrigou o jornalista Ali Kamel, porta-voz da Globo, a sair a público defendendo a emissora.

Nos anos 80 a denúncia de desmandos jornalísticos sairia por outro órgão da mídia. Em 2006, houve um pacto tácito que juntou grandes jornais, revistas e grandes emissoras de televisão, de homogeneização da opinião, de redução do contraditório, de diminuição do espaço crítico. Não se percebeu que a tecnologia estava mudando tudo.

Foi esse pacto que, no fundo, acabou impedindo a oxigenação do debate e abriu um espaço extraordinário para os blogs. As eleições de 2006 marcam definitivamente o fim do poder absoluto da grande mídia sobre o mercado de opinião brasileiro.

Nenhum comentário:

Postar um comentário