Leia mais

Para ler o que foi publicado aqui (antes e/ou depois) sobre o assunto de um artigo , clique num dos marcadores ao final dele. Veja ao final desta tela, uma lista dos artigos mais populares.

22 outubro, 2006

Atitudes Diversas, Resultado Idêntico, Mesma Razão

Na nota anterior, indiquei um documentário disponível no YouTube. O vídeo usa o termo Tempo Velho, consagrado desde as eleições de 98, ao referir-se à administração do PMDB na Prefeitura de Goiânia.

É importante lembrar, contudo, no que toca a conferências de cultura, que o Tempo Novo também está em débito, embora por omissão. Sobre as ações da atual gestão municipal, basta consultar a nota anterior, ou o arquivo deste blog.

Já quanto à não realização da Conferência Estadual, a Agepel alegou, em matéria de O Popular, em dezembro passado, que discordava dos termos do protocolo que deveria ser assinado junto ao Minc e por isso não a realizara. Ficamos na companhia de outros 4 estados: Amazonas, Pará, Rondônia, Sergipe e São Paulo, mais o Distrito Federal. Com uma grande diferença: em todos esses outros estados houve conferências municipais, ou seja, eles escolheram representantes para a Conferência Nacional de Cultura e, principalmente, discutiram a questão cultural local (em Goiás, registre-se, aconteceu uma única: em Valparaíso). O estado de Roraima, que também não havia realizado sua conferência em 2005, o fez este ano. Mesmo estados administrados pelo PSDB, como Minas Gerais, não viram problemas em aderir ao Sistema Nacional de Cultura e fizeram suas conferências.

O processo das conferências foi perfeito? De forma alguma. A divulgação foi ruim, houve inúmeros problemas. Mas fomos tolhidos na possibilidade de participar, como coloquei em meu comentário, publicado na matéria Saberes e Quereres, da edição de 20 de setembro de Carta Capital: "Como fazer com que esse discurso avançado chegue aos rincões do Brasil? Que mecanismos a sociedade vai ter para se vncular à política nacional se os governos municipais e estaduais colocarem obstáculos, por divergências políticas?".

O mais grave, no caso de Goiás, é que o então governador e o presidente da Agepel ao que tudo indica tiveram acesso às informações sobre as conferências em primeira mão, pois estiveram com o Ministro da Cultura no dia 24 de agosto de 2005, e a portaria 180, que as regulamentou , é de uma semana depois, dia 31 . Tanto é assim que na ocasião o então governador se comprometeu a criar a Secretaria Estadual de Cultura (exigência do protocolo), conforme noticiei em Primeiro Passo , inclusive reproduzindo a foto do encontro. A mesma notícia apareceu depois no site da Agepel.

Nos dois casos, município e estado, embora absolutamente diversos os procedimentos, um mesmo efeito: o boicote à participação da sociedade na formulação das políticas públicas. Na sua origem, uma cultura política autoritária, a provar que o enorme desenvolvimento econômico de Goiás nas últimas décadas não teve correspondência em matéria de política.

Nenhum comentário:

Postar um comentário