Leia mais

Para ler o que foi publicado aqui (antes e/ou depois) sobre o assunto de um artigo , clique num dos marcadores ao final dele. Veja ao final desta tela, uma lista dos artigos mais populares.

04 dezembro, 2006

TVs Públicas III - Como é em Goiás

Por acaso encontrei um comentário sobre a programação da TV Brasil Central, no Observatório da Imprensa. Nem parece que o texto é de 2000:
TV sem cultura em Goiás

Se não bastasse a baixa qualidade da representante da TV Cultura em Goiás, verificada na maior parte de seus programas – colunismo social, promoção de pessoas, empresas etc. –, a TBC Cultura invade horário de outros programas nacionais, aliás, os melhores. No último caso, registrado freqüentemente no domingo, especificamente no horário do programa Cartão Verde, a TBC, com uma versão local, resolveu estender o tempo, reprisando o programa paulista com meia hora de atraso. O que levou a emissora local a não veicular a Mostra Internacional de Cinema, preferindo repetir alguma entrevista de Conexão Roberto D'Ávila.

A TBC Cultura também grava vinhetas de programas nacionais, indicando muitos apoios culturais, e interferindo no andamento da transmissão nacional, fazendo com que o telespectador ache que o problema veio da TV Cultura paulista, da Fundação Padre Anchieta. Eu já estava cansado de tanto desrespeito, e resolvi fazer o mesmo que o ator e diretor de teatro Marcos Fayad, ou seja, reclamar. Ele preferiu recorrer ao principal jornal do estado, O Popular, onde escreveu sua experiência durante um período em tratamento médico, no qual resolveu saber o que a televisão goiana estava produzindo. Ele afirma que escolheu assistir à TBC porque é a emissora no estado que tem maior produção local, e é verdade.

Citação dele: "Com raras exceções, nenhum programa da TBC Cultura é feito para servir e melhorar a vida do telespectador, coisa mais natural, até obrigatória, em se tratando de um canal de TV pública, onde os funcionários são pagos pelo povo."

A seguir, ele afirma, e eu assino embaixo: "Mas ele (o canal) é usado para promover empresas particulares dos tolos apresentadores ou atirar confetes em seus egos inflados de idiotices."

Mais: "Pobre telespectador! Somos todos vítimas do delírio da autopromoção desvairada, em que um patrocinador e um vaidoso de plantão inventam um programa, e podem causar estrago na diversão e na cultura de quem já tem tão pouco com que se divertir."

Esta é a minha reclamação. Nacionalmente, a TV Cultura é ótima. Localmente, sua afiliada deixa muitíssimo a desejar.

José Cristin Pimenta, estudante de Comunicação Social

Nenhum comentário:

Postar um comentário