Leia mais

Para ler o que foi publicado aqui (antes e/ou depois) sobre o assunto de um artigo , clique num dos marcadores ao final dele. Veja ao final desta tela, uma lista dos artigos mais populares.

24 novembro, 2008

Deu no Globo e na Folha: Goiânia é tema principal de Élio Gaspari - antes não fosse...

Élio Gaspari é um dos mais lidos e respeitados colunistas do país. Sua coluna é publicada por O Globo, Folha de São Paulo e jornais por todo o Brasil, inclusive O Popular.

Neste domingo, o principal tema foram as milionárias bibliotecas projetadas por Oscar Niemeyer em Goiânia ( no centro cultural que leva seu nome) e em Brasília, que inauguradas ambas há quase três anos, permanecem fechadas.

Em outubro do ano passado, artigo publicado aqui fez um relato de toda a epopéia que resultou nesse elefante branco e vermelho, comentando também sobre as coincidências com a do prédio de Brasília ( Centro Cultural Oscar Niemeyer - As curvas no caminho).

Gaspari já tratou de Goiás antes, ou melhor, do atual Tocantins, em sua obra sobre a Ditadura Militar. No segundo volume (são quatro), A Ditadura Escancarada, o último capítulo, A Floresta dos Homens sem Alma, é sobre a Guerrilha do Araguaia.

Abaixo, o texto publicado ontem.


Borges no Brasil: bibliotecas sem livros

Élio Gaspari

O Globo - 23/11/08

Em 1941, o bruxo argentino Jorge Luis Borges escreveu "A biblioteca de Babel" e contou o mistério do "Livro total". Seria "o compêndio perfeito de todos os demais", receptáculo de todo o conhecimento humano. O tesouro estaria perdido.

Pobre Borges. Não viveu o suficiente para ver que são inesgotáveis as horríveis imaginações da mente. Em Brasília e Goiânia existem bibliotecas muito mais cerebrinas. Burocratas da cultura associados a empreiteiros e governantes letrado$ criaram as bibliotecas sem livros, um desafio para filósofos e delegados de polícia.

Os dois templos do nada foram projetados por Oscar Niemeyer e inaugurados em 2006 (ano eleitoral). Deveriam custar algo mais que R$40 milhões cada uma. A Biblioteca Nacional de Brasília fica a 500 metros da catedral. Tem cinco andares e 14 funcionários, mas está fechada. Seu acervo de 50 mil livros ainda não foi catalogado. Os donatários esclarecem que o prédio tem capacidade para 250 mil volumes.

A biblioteca irmã tem três pisos, 1.200 metros quadrados e fica em Goiânia, no Centro Cultural Oscar Niemeyer. Está fechada porque o governo não pagou ao empreiteiro, que, por sua vez, apresentou contas que somam R$65 milhões. Ao contrário do que sucedeu em Brasília, tem acervo, mas os livros estão encaixotados, pois a instituição não tem funcionários.

Talvez o "Livro total" de Borges e a imaginação de Umberto Eco esclareçam o mistério. Tendo absorvido toda a sabedoria humana, o monge cego Jorge de Burgos, de "O nome da rosa", percebeu a irrelevância do conhecimento e organizou bibliotecas sem livros.

Seriam a prova do compromisso dos governantes com a inteligência, sem dispersar esforços com objetos obsoletos. Burgos já fez isso na Bibliotheca Alexandrina, no Egito, que precisará de 80 anos para encher seu prédio de US$65 milhões, e na Megabiblioteca do México, inaugurada e fechada por defeitos na construção. Os empreiteiros ganharam seu dinheirinho, os governantes fizeram festas, os edifícios deslumbraram os transeuntes e, mais uma vez, a patuléia fez papel de boba.

Nenhum comentário:

Postar um comentário