Leia mais

Para ler o que foi publicado aqui (antes e/ou depois) sobre o assunto de um artigo , clique num dos marcadores ao final dele. Veja ao final desta tela, uma lista dos artigos mais populares.

22 janeiro, 2007

Ponto de Vista 6 - Atirou no que não viu, acertou no que viu

Ainda sobre o "acabou o tempo do rei", de que tratei na nota anterior, achei uma explicação para a expressão da lavra do próprio presidente do Conselho Estadual de Cultura. É um trecho do discurso proferido por ele na Sessão Solene de entrega do Prêmio Jaburu (mais medalhas e diplomas), em 10 de dezembro de 2001 - ano em que foi aprovada a lei que reformulou o colegiado:

Há cerca de 12 (doze) anos, alertava em solenidade promovida pela União Brasileira de Escritores, de Goiás, na qualidade de seu ex-presidente, para a inexistência de uma política de cultura, pintando um quadro de todos conhecido. Permitam-me as palavras de então: " O paternalismo campeia. A vontade do rei executa-se, sem critérios, sem regras do jogo, sem plano operativo aberto, elaborado com a participação das entidades de cultura e dos segmentos representativos dos setores da atividade artística e cultural. Programas possíveis, escalonados dentro de quadro de valores e da necessidade. Plano que não fosse permeado de programas impositivos e que se direcionasse no respeito ao povo e ao produtor de cultura, que fosse alavanca para a ação cultural e não meio do Estado, ele próprio, 'fazer cultura', ou impor um determinado 'tipo' de cultura. Difícil quando se confunde a missão constitucional do Estado de amparar a cultura, com amparar a determinadas pessoas ou grupos, com benefícios concedidos, outorgados, por mercê e graça e por razões de amizade, de credo político-partidário ou meras simpatias pessoais". (Goiás Cultura - Revista do Conselho Estadual de Cultura, nº 6, 2002)

Doze anos antes de 2001 corria o ano de 1989, quando o governo Santillo (15.03.87 a 15.03.91) estava exatamente na metade. O Secretário de Cultura era Kleber Adorno e, segundo consta, Carlos Brandão, autor da reportagem do DM, ocupou um dos cargos de confiança na sua gestão.

Um comentário:

  1. Querido,
    Com isso fica demonstrado que a memória é curta e nessa vaga lembrança se estabelece a eterna lambança dos cargos comissionados. Parabéns!
    http://amigosdemuseu.blogspot.com/

    ResponderExcluir