Leia mais

Para ler o que foi publicado aqui (antes e/ou depois) sobre o assunto de um artigo , clique num dos marcadores ao final dele. Veja ao final desta tela, uma lista dos artigos mais populares.

21 julho, 2006

No Pará é assim...

Reproduzo texto do Jornalista Lúcio Flávio Pinto, editor e redator do Jornal Pessoal, de Belém, sobre as conseqüências de uma imprensa dependente das verbas oficiais.
Em janeiro de 2005, o jornalista foi agredido, em um restaurante de Belém, pelo diretor corporativo do maior grupo de comunicação do estado. O caso teve ampla cobertura do Observatório da Imprensa (leia aqui), de onde retirei o artigo.
Jornalismo de verdade e jornalismo de aluguel

Por Lúcio Flávio Pinto em 18/7/2006

Reproduzido do Jornal Pessoal nº 371, 1ª quinzena de julho/2006

Porque pagam gorda publicidade à imprensa, os ordenadores das verbas públicas se acostumaram mal ao jornalismo. Acham que repórter é escrivão da frota: está ali para reproduzir o que ditam. E o que ditam é a verdade, vox dei. Qualquer jornalista que tenta desempenhar sua verdadeira função é hostilizado. Ligam direto para o patrão e reclamam o cala-boca no incauto. Texto jornalístico, sem os alertas de estilo, se tornou matéria paga. O leitor compra gato por lebre. A empresa fatura mais (e ainda acha que quem a lê, acredita).

Na sua versão contemporânea, essa promiscuidade começou na administração do simpático agrônomo Elias Sefer na Superintendência do Desenvolvimento da Amazônia, na segunda metade da década de 1970. Até então todos os jornais cobriam normalmente as reuniões do Conselho Deliberativo da Sudam, que, mesmo durante o regime militar, costumavam render bom caldo (sem chegar a caracterizar o local como "o auditório da Amazônia", pretensão exagerada dos seus participantes).

Sefer passou a pagar as matérias, garantindo sempre uma página inteira de cobertura. O espaço era generoso, mas o conteúdo foi-se esvaziando. Esse é o inevitável efeito colateral da imprensa mercantil, que os mercadores e quitandeiros desdenham, sem conseguir anular.

Cascudos e catiripapos

De lá para cá, a dependência do vil metal oficial sufocou o jornalismo nas empresas jornalísticas. Com o agravante de que muitos jornalistas se esqueceram de que não ocupam seus cargos para incensar o anunciante (mal) disfarçado. O patrão é o que lhe paga o salário, mas o que faz se destina ao leitor, não ao freguês da quitanda.

Vai daí que constantemente estão a se repetir as carraspanas dos sobas provinciais em cima de jornalistas incômodos, sejam eles homens ou mulheres. Em matéria de puxão de orelha e cascudo, ninguém pode reclamar discriminação. Desses infortúnios, só os chapas-brancas estão isentos. Como também do jornalismo de verdade.

Nenhum comentário:

Postar um comentário