Leia mais

Para ler o que foi publicado aqui (antes e/ou depois) sobre o assunto de um artigo , clique num dos marcadores ao final dele. Veja ao final desta tela, uma lista dos artigos mais populares.

26 julho, 2011

Gente como a gente: juíza de direito casa-se com sua companheira

Felicidade total do casal na notícia que chega de Santa Catarina (abaixo). Idêntica à dos 20 casais que o New York Times escolheu para representar as centenas que se uniram no domingo, primeiro dia em que se tornou legal a união de pessoas do mesmo sexo no Estado de Nova Iorque. A mesma no  álbum que o jornal montou com fotos enviadas pelos leitores. Coincidentemente, este ano a Holanda comemorou os dez anos da primeira união legal entre pessoas do mesmo sexo e a experiência mostra que são casais como quaisquer outros, exceto pela dificuldade, que persiste, quando querem adotar crianças.



Juíza casa-se com outra mulher 


Fonte: www.espacovital.com.br



(19.07.11)
Diarinho - Itajaí (reprodução)
O "selinho" da união de Sônia e Lilian, no cartório Heusi, em Itajaí
A juíza Sônia Maria Mazzetto Moroso, titular da 1ª Vara Criminal de Itajaí (SC) assinou no sábado (16) o documento que a torna casada com Lilian Regina Terres, servidora pública municipal. Esta é a primeira união civil homoafetiva registrada em Santa Catarina, após a decisão do STF.

A primeira do Brasil ocorreu em Goiânia (GO), no dia 9 de maio, entre Liorcino Mendes e Odílio Torres. Até agora, ninguém da magistratura brasileira tinha antes, assumido publicamente esse tipo de relacionamento.

“É a primeira pelo menos no Estado de Santa Catarina e eu sou a primeira juíza brasileira a assumir”, comemorou Sônia.
 
Ela e Lilian já tinham um relacionamento estável antes da união oficial. Elas se uniram no dia 29 de maio do ano passado, numa cerimônia abençoada pela religião umbandista.

O juiz Roberto Ramos Alvim, da Vara de Família da comarca, autorizou o casamento civil das duas mulheres. O ato foi, então, celebrado no Cartório Heusi.
 
Familiares e amigos delas acompanharam a cerimônia. Rafaello, filho da juíza Sônia, também estava presente e ansioso pela união. “O meu filho me chama de mãe e se dirige à Lilian como mamusca”, conta Sônia.

Com o casamento, Lilian e Sônia decidiram acrescentar os sobrenomes uma da outra, ficando Sônia Maria Mazzetto Moroso Terres e Lilian Regina Terres Moroso.

Nenhum comentário:

Postar um comentário