Leia mais

Para ler o que foi publicado aqui (antes e/ou depois) sobre o assunto de um artigo , clique num dos marcadores ao final dele. Veja ao final desta tela, uma lista dos artigos mais populares.

15 fevereiro, 2008

Desastre Ambiental - Usina de Espora - 3 - Controladores da Espora Energética S/A

Encontrei mais algumas informações na internet:

1. Alteração humorística de fotos da construção da usina, mostrando-a antes e depois do desvio do rio (clique aqui para ver), em um boletim cômico com funcionários de construtora. Há um índice para mais números do mesmo informativo, vários deles mostrando o dia-a-dia do pessoal que trabalhou na obra (clique aqui para acessar)

2. Resoluções da Aneel (clique aqui) autorizando a transferência:
a)das acões pertencentes a Fuad Rassi Engenharia, Indústria e Comércio Ltda na Espora Energética S/A para as sócias: J.Malucelli Energia S.A., Construtora Metropolitana S.A. e Planex Engenharia e Comércio Ltda ( em ordem decrescente de ações ordinárias possuídas) e
b) da outorga da usina da Fuad Rasssi Engenharia para a Espora Energética S/A

3. Site da Construtora Metropolitana S/A (clique aqui) , em que consta sua participação na Espora Energética S/A. Notícia publicada pela Gazeta Mercantil colocando como concessionária da usina a J.Malucelli Energia, empresa do grupo paranaense J.Malucelli (clique aqui para ler), ao qual também pertence a J. Malucelli Construtora, uma das integrantes do consórcio executor da obra. Consta também a informação de que, além do BNDES, houve financiamento do FCO, através do Banco do Brasil.

4. Notícia publicada pela Gazeta do Povo, do Parána, com informações do representante da Espora S/A e nota sobre os controladores (clique aqui).

5. Blog do Jornale, de Curitiba (sede da J. Malucelli), comenta o episódio (clique aqui).

6. Boletim Energia nº 247, de 23 a 29 de novembro de 2006, da ANEEL:

1. Esclarecimentos sobre a compensação financeira devida os municípios - início de operação da usina - setembro de 2006.

Municípios de Goiás receberão compensação
financeira pela exploração da usina Espora

Os municípios goianos de Aporé, Itarumã e Serrranópolis, terão direito a parcelas da compensação financeira em conseqüência da inundação de suas áreas pelo reservatório da usina hidrelétrica de Espora instalada no rio do Corrente. A área inundada pelo reservatório da usina é de 28,05 quilômetros quadrados no território dos três municípios. A hidrelétrica, de responsabilidade da empresa Espora Energética S/A, tem potência instalada de 32 megawatts (MW). Os percentuais relativos das áreas inundadas pelo reservatório da hidrelétrica de Espora foram definidos esta semana pela Aneel, responsável pelo repasse mensal de recursos às prefeituras. Veja quadro abaixo:

Município

UF
Área Inundada (%)
Serranópolis
GO
22,4805
Itarumã
GO
24,2594
Aporé
GO
53,2601
Total
100

Ao entrar em operação comercial em setembro último, a usina passou a ter obrigação de recolher a Compensação Financeira pela Utilização dos Recursos Hídricos (CFURH), encargo pago pelas geradoras pela utilização dos rios para geração de energia elétrica. A Compensação, prevista pela Constituição Federal, beneficia os municípios com áreas inundadas pelos reservatórios formados com o represamento dos rios. Com os recursos, as prefeituras podem promover melhorias em educação, saúde e segurança nos municípios.
(clique no link do título para ler na íntegra)

2. Participação em leilão de outras usinas empresas vinculadas à Usina de Espora

Concessões de linhas de
transmissão serão disputadas por 28 empresas

As concessões de sete lotes com 14 linhas de transmissão e três subestações serão disputadas por 28 empresas do Brasil, Espanha, Portugal e Colômbia, que participarão individualmente ou agrupadas em consórcio. O leilão será realizado amanhã (24/11), às 10h, na Bolsa de Valores do Rio de Janeiro, em sessão pública que será conduzida pela Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa).
As empresas garantiram o direito de disputar as concessões ao depositar, hoje (23/11), as garantias de proposta na Companhia Brasileira de Liquidação e Custódia (CBLC), em São Paulo. No grupo de 28 empresas habilitadas para o leilão, 18 são nacionais e dez, estrangeiras. Das 30 pré-qualificadas, duas não depositaram as garantias e, portanto, não estão habilitadas para a disputa: LT Bandeirante Empreendimentos Ltda. e Constr. e Com. Camargo Corrêa S/A..
O consórcio Fuad Rassi – J. Malucelli, formado pelas empresas Fuad Rassi Eng. Ind. e Com. Ltda. e J. Malucelli Constr. de Obras S/A, não depositou garantias para os lotes D e F, mas permanecerá na disputa nos lotes A, E e G. Por sua vez, a empresa Copel Transmissão S/A também não confirmou participação no lote B, porém continuará como concorrente para o lote G. Veja aqui a relação das empresas habilitadas.
(clique no link do número do boletim par ler na íntegra).


Nenhum comentário:

Postar um comentário