Leia mais

Para ler o que foi publicado aqui (antes e/ou depois) sobre o assunto de um artigo , clique num dos marcadores ao final dele. Veja ao final desta tela, uma lista dos artigos mais populares.

14 outubro, 2005

Modéstia...

No dia 27 último, véspera da manifestação em defesa do FAC, circulou pela Internet uma mensagem do ex-Secretário Municipal de Cultura, Sandro di Lima, repassada por outras pessoas, aparentemente dirigida ao Conselho Municipal de Cultura, o que se deduz pelo seu tom extremamente formal (veja a mensagem na nota abaixo).

Nela, o ex-Secretário apóia o movimento, lamentando não poder participar, por trabalhar fora de Goiânia, e faz um “leve” reparo ao texto do panfleto de divulgação da manifestação (veja o panfleto na nota Em Defesa da Cultura , abaixo), “onde se diz que a gestão passada ignorou o FAC. Há uma incorreção, uma vez que o mesmo foi criado por iniciativa da gestão anterior, após ouvir a classe artística. O que houve foi ausência de recursos da Secretaria de Finanças para honrar o repasse legal”.

O ex-Secretário é muito modesto. Ele merece todo o crédito pela situação em que hoje se encontra o meio artístico de Goiânia frente à Secretaria Municipal de Cultura, iniciada com a alteração autoritária no FAC e agora ampliada com a convocação irregular da Conferência Municipal de Cultura. De fato, a gestão passada, junto à Câmara Municipal, criou o FAC, em lei aprovada em dezembro de 2002, assim como reformulou o Conselho Municipal de Cultura, em janeiro de 2003.

Contudo, não cuidou de suas crias. Desde sua instalação o atual Conselho Municipal de Cultura teve de conviver com a ausência sistemática às suas reuniões daquele que deveria presidi-lo e também com a falta de resposta aos encaminhamentos que eram feitos a ele. Na verdade, a postura do ex-secretário permitiu a instalação de um clima de animosidade contra o conselho dentro da secretaria : na Comissão de Projetos Culturais, nas discussões sobre o Goiânia em Cena e sobre a II Conferência Municipal de Cultura. Mais grave: não deu ao conselho as condições para que elaborasse, como era intenção e obrigação dos conselheiros, propostas de uma Política Cultural para a cidade, de aperfeiçoamentos na Lei Municipal Incentivo à Cultura e na própria legislação que regulamenta o conselho. Enfim, impediu que o conselho se estruturasse e consolidasse ao longo do ano passado, de forma a ser respeitado pela nova gestão.


Quanto ao FAC especificamente, a gestão que o criou não depositou os valores devidos já no primeiro ano de sua vigência, 2003. Foi o Conselho Municipal de Cultura que ao longo de todo o ano passado cobrou da Secult o cumprimento da legislação referente ao FAC. Não só à Secult, mas ao próprio prefeito, em debate na Rádio Companhia, ainda no primeiro turno das eleições. Como último recurso, fez representação ao Ministério Público.

O ex-secretário se comporta como o pai negligente que negou aos filhos o cuidado para que crescessem fortes e saudáveis, enquanto tratava de seus interesses pessoais fora de casa, e por fim os largou à própria sorte, refugiando-se confortavelmente em destino incerto e ignorado. Mas, vaidoso, ao saber que sobreviveram à adversidade, são vigorosos e admirados, faz questão de afirmar sua paternidade.

Nenhum comentário:

Postar um comentário