Leia mais

Para ler o que foi publicado aqui (antes e/ou depois) sobre o assunto de um artigo , clique num dos marcadores ao final dele. Veja ao final desta tela, uma lista dos artigos mais populares.

01 setembro, 2008

A prisão de Daniel Dantas - 5 - O novo grampo da Veja

No texto anterior desta série, reproduzi trecho de matéria do Estadão, do dia 14 de julho, em que o Senador Demóstenes Torres descartava o impeachment do presidente do STF ( A prisão de Daniel Dantas - 4 - Outro Goiano).

Na polêmica desta semana, a Veja denunciou que uma conversa do senador com o presidente do STF no dia seguinte àquela matéria teria sido grampeada, o que já fez com que o impechment surgisse de novo no noticiário, mas desta vez do presidente da República, e mencionado pela oposição.

Abaixo, um breve guia de onde ler boas análises do episódio:

1. Veja, Demóstenes e a Abin - Em que Luis Nassif relembra outra matéria da revista, de março de 2005. Nela, a revista também dizia ter-se baseado "em um araponga da ABIN para concluir que as FARCs tinham bancado R$ 5 milhões para a campanha do PT. Era uma matéria inverossímil, pois afirmava que esse dinheiro chegou até os candidatos através de 300 empresários – como se fosse possível conduzir sigilosamente ação de tal envergadura." Depois de dar detalhes do caso, abordado na sua série sobre a revista ( clique no banner no alto da página para acessar), conclui que "agora há uma nova matéria, com os mesmos personagens: Veja, seu diretor de redação Policarpo Jr., um agente da ABIN (seria o mesmo coronel?) e o senador Demóstenes Torres. E o presidente do STF, Gilmar Mendes, que há meses vêm estrelando várias matérias sobre supostos grampos de que foi vítima."

2. Apoteose mental - Comentando as declarações bombásticas do presidente do STF a partir da reportagem, Nassif conclui :

É a mais canhestra tentativa de golpe de estado da história do país. Como coisa que tivessem cacife para isso.

É sabido que a Satiagraha flagrou jornalistas, advogados, juizes e parlamentares. Cria-se uma crise do nada, ameaça-se com o impeachment do presidente - como se tivessem essa bola toda. Mas resolve-se tudo numa boa se o presidente afastar Paulo Lacerda, fornecer os elementos para a absolvição de Daniel Dantas e livrar todos os pobros cidadãos flagrados pela Satiagraha. Volta a paz, acaba o incômodo com o grampo de Gilberto Carvalho e a lei - ora a lei! A palavra final sobre a lei é do presidente do Supremo, ora.


3. Teje demitido! Quem? - Nassif analisa a cobertura da grande imprensa, repercutindo a matéria da Veja. Conclusão:

Demitir quem? Como tomar qualquer decisão se não se tem a mínima evidência, até agora, sobre quem realizou o suposto grampo? A matéria é taxativa: “Ele (Lula) determinou ao diretor-geral da Abin, Paulo Lacerda, que demita sumariamente os responsáveis pela escuta ilegal”.

Ou seja, o governo não tem a menor idéia de quem realizou o suposto grampo, mas exigiu a imediata demissão dos responsáveis pela escuta. Só o Cacique Cobra Coral para resolver esse dilema.

Todo esse alarido em torno de um caso em que não foi apresentada, até agora, nenhuma prova material da suposta escuta. E em que os personagens envolvidos são os mesmos personagens que avalizaram uma reportagem falsa: a história do dinheiro das FARCs para a campanha do PT em 2006.


4. Respiros de jornalismo - Nassif reproduz artigo de Fernando Barros da Silva, publicado na Folha, intitulado Muito Além dos Grampos. Trecho: "Sim, é grave, é gravíssimo o grampo contra Gilmar Mendes. E também muito estranho: é a primeira vez que a revelação do conteúdo de uma escuta telefônica ilegal é boa para os dois grampeados."

5. A República em polvorosa, por Alberto Dines, no Observatório da Imprensa, destacando na conclusão que "como sempre acontece, a revista rodou na sexta à noite, mas antes disso os grandes jornais já recebiam o material para abrir trepidantes manchetes nas edições de sábado".

6. A volta da arapongagem, por Luciano Martins Costa, no Observatório da Imprensa, que conclui : "o fato de a conversa entre o senador e o presidente do STF ter sido gravada apenas quinze dias depois da Operação Satiagraha coloca outra vez o banqueiro Daniel Dantas entre os suspeitos. Mesmo assim, tudo ainda é especulação, e o melhor que a imprensa pode fazer é divulgar todas as possibilidades. E não aceitar informação de origem duvidosa. "

7. Veja, Gilmar Mendes e suas mentiras - No Biscoito Fino e a Massa, o professor Idelber Avelar rememora as histórias de grampos envolvendo o STF e analisa as recentes declarações do seu presidente a partir da retórica.

Nenhum comentário:

Postar um comentário