Leia mais

Para ler o que foi publicado aqui (antes e/ou depois) sobre o assunto de um artigo , clique num dos marcadores ao final dele. Veja ao final desta tela, uma lista dos artigos mais populares.

06 junho, 2007

Greve na Cultura

Reproduzido da Agência Brasil

Servidores do Ministério da Cultura lançam varal itinerante por plano de cargos
Ana Luiza Zenker
Da Agência Brasil


Brasília - Pouco mais de R$ 260,00. Este é o salário básico dos servidores de nível superior do Ministério da Cultura (MinC) e suas instituições vinculadas – como o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), Fundação Nacional de Arte (Funarte), Fundação Biblioteca Nacional e Fundação Cultural Palmares. Com as gratificações, o salário bruto chega a R$ 1976,86, para funcionários em início de carreira. Entre 132 funções públicas listadas pelo Ministério do Planejamento, os servidores da Cultura estão em 121º, ou seja, um dos 15 salários mais baixos.
Para os servidores de nível fundamental, com cargos de auxiliar, o salário base é de R$ 79,40. Para chegar aos R$ 1.466,39 pagos ao funcionário em início de carreira, o salário é complementado com gratificações. Para o nível médio, a situação se repete, partindo de uma base salarial de R$ 149,49.
Para chamar atenção à situação das instituições de proteção e fomento à cultura, os servidores, em greve desde o dia 15 de maio, lançaram hoje (4) o Varal Itinerante da Cultura Brasileira. São posters, cartazes e fotos de todos os segmentos da cultura brasileira e do Sistema Ministério da Cultura (MinC), que vão acompanhar todas as manifestações dos grevistas.
“Nós queremos mostrar que as instituições estão sucateadas, sem condições de trabalho e também mostrar os trabalhos que são feitos”, afirma a servidora do Iphan, Maria Lúcia Pardi. “A idéia do varal é mostrar um pouco a produção do Sistema MinC e fazer um corpo-a-corpo com o cidadão, para mostrar que ele é o maior beneficiário disso tudo, e que todo esse trabalho pode deixar de ser feito, porque nós não temos mais condição de trabalho”, completa.
Os servidores do ministério e das vinculadas estão em greve desde o dia 15 de maio. Eles reivindicam a implantação do Plano Especial de Cargos, que está parado na Secretaria de Recursos Humanos do Ministério do Planejamento desde 2005, quando foi feita uma greve de 100 dias dos servidores da Cultura. Na ocasião, o governo federal ofereceu uma gratificação e a implementação do plano em 2006.
De acordo com o comando de greve, após a manifestação das últimas duas sextas-feiras, as negociações foram reabertas e haverá uma reunião nesta quarta-feira (6). A assessoria do Ministério do Planejamento não confirma a informação, nem fala sobre a greve e as reivindicações dos servidores da Cultura.

Nenhum comentário:

Postar um comentário