Leia mais

Para ler o que foi publicado aqui (antes e/ou depois) sobre o assunto de um artigo , clique num dos marcadores ao final dele. Veja ao final desta tela, uma lista dos artigos mais populares.

11 outubro, 2006

Teatro Goianiense em destaque no Magazine

Não tenho conseguido dedicar-me ao blog tanto quanto gostaria. Há vários assuntos que, por falta de tempo, tenho deixado para mais adiante, na esperança de achar um horário para tratar deles futuramente.

Um exemplo é a reportagem de capa do Magazine, de O Popular, do dia 24 de setembro, sobre o teatro em Goiânia. No momento, me é impossível comentá-la com profundidade, mas não posso deixar de dizer algo.

Antes de mais nada, é sempre muito bom ver o teatro local ser objeto de uma matéria ampla, ainda mais na edição de domingo. Recordo-me de uma única outra vez em que isso aconteceu, em 11 de janeiro de 2004, a próposito da formatura da primeira turma do curso de Artes Cênicas da UFG - há dois anos e meio, portanto.

Registro, por ora, que há uma enorme diferença no tom das duas matérias, a despeito da situação do teatro não ter mudado substancialmente nesse período: a mais recente deixa uma impressão muito otimista , carregando nos tons róseos, a despeito de trazer alguns problemas enfrentados pelo setor. Já a de 2004 pareceu-me mais fiel às enormes dificuldades com que se defronta quem trabalha com arte, em especial o teatro, em Goiânia.

Fui entrevistado nas duas ocasiões, a propósito do Fórum Permanente de Teatro de Goiás, de que fui um dos fundadores e que representei junto à Agepel. Talvez pela inatividade atual do fórum, desta vez minhas respostas não foram incluídas na matéria. Reproduzo-as abaixo, junto às perguntas feitas, na esperança de fomentar aqui uma discussão:
[ antes das respostas, esclareci que desde o início deste ano estou afastado do dia-a-dia do Zabriskie. As remissões entre colchetes não constavam das respostas.]

[Fale] sobre a atuação do Fórum Permanente de Teatro e a participação do Zabriskie no projeto Redemoinho? De que forma o Fórum contribui para melhorar a qualidade das produções e a montagem de peças?

O Fórum Permanente de Teatro era, como o próprio nome indicava, um espaço de discussão, de reunião e busca por políticas públicas para o teatro, decididas de forma coletiva e democrática. Nesse sentido, não tinha sede, nem personalidade jurídica. Desenvolveu e realizou, junto à Agepel, duas ações: o Circuito Agepel de Teatro e o I Seminário de Artes Cênicas de Goiás. O circuito pretendia democratizar o acesso ao teatro e formar novas platéias, incorporando novas cidades ao circuito do teatro investigativo , muito concentrado em Goiânia. O seminário pretendia fomentar a busca por uma politica pública consistente e orgânica, a partir da experiência da Lei de Fomento ao Teatro, de São Paulo. A dificuldade e o desgaste em estabelecer um diálogo como o poder público, tanto municipal quanto estadual terminou por cansar e desmobilizar as pessoas e desde fins de 2004 o fórum persiste basicamente como um grupo de discussão na internet, com cerca de cem associados. Desde então, a FETEG tem representado o setor nas discussões com o setor público. Com uma mudança feita em seu estatuto, no ano passado, espera-se que cada vez mais próxima dos associados e expressando sua vontade coletiva [falei sobre isso no texto Bravo II]. Alguns dos participantes passaram a freqüentar o Fórum Permanente de Cultura. Eu, particularmente, desde julho de 2005 publico o blog Entreatos
onde discuto, em especial, as ações na área de cultura.

O redemoinho, Rede Brasileira de Espaços de Criação, Compartilhamento e Pesquisa Teatral, foi criado num encontro promovido pelo Grupo Galpão, em 2004. Em 2005 fez seu segundo encontro, com a participação de 70 grupos de todo o país. Ainda estamos buscando um concerto entre a diversidade cultural e política que representam. Mas tem sido muito interessante o contato com toda essa variedade de tipos e propostas. Fernando Mencarelli, professor de teatro na UFMG e assessor pedagógico do Galpão Cine-Horto, expressou muito bem o que foi feito até agora : "A aposta nos grupos e nas formas coletivadas de criação, o reconhecimento da necessidade de espaços autônomos para o desenvolvimento de um trabalho contínuo e a constatação de que estes grupos e espaços culturais espalhados pelo país têm gerado uma ação cultural de interesse público motivaram a criação da Rede e têm orientado seus primeiros passos."


Acha que a política da Agepel e da SeCult para o teatro (Prêmio Agepel, Tenpo em Porangatu, Goiânia em Cena e Centro Municipal de Cultura Goiânia Ouro) é satisfatória? O que é preciso fazer para elevar o nível dos trabalhos?

Não existe uma política, enquanto um conjunto organizado de ações, sistematizadas, previamente planejadas e com objetivo definido. São ações fragmentadas, cujo única razão de ser é dar visibilidade à administração pública [escrevi sobre isso o texto Bravo! ], implantadas de cima para baixo, com total desprezo pela opinião dos artistas, e em alguns casos, pela própria lei.

Para elevar o nível dos trabalhos ainda mais, é preciso fundamentalmente a organização coletiva dos grupos para buscarem essa política, onde o norte seja um teatro vigoroso e de alta qualidade. Fundamentalmente, é essencial romper com a cultura do favorecimento pessoal em detrimento do mérito, tendo clareza que aqueles que se identificam e beneficiam dessa prática são o inimigo. No balcão dos favorecidos, persistência, consistência, coerência e qualidade não valem nada.

Nenhum comentário:

Postar um comentário