Leia mais

Para ler o que foi publicado aqui (antes e/ou depois) sobre o assunto de um artigo , clique num dos marcadores ao final dele. Veja ao final desta tela, uma lista dos artigos mais populares.

11 fevereiro, 2006

Bis para os que perderam

Reproduzo abaixo correspondência publicada na seção "Cartas dos Leitores", de O Popular, no dia 05/02/06. O texto é imperdível e levanta questões fundamentais sobre política cultural. Entre elas, a condição atual de nosso meio cultural, o que constitui de fato arte e a necessidade de verificação do que é afirmado no lançamento ou divulgação de qualquer obra.


Azulejaria portuguesa

Contemplo o caminhar decadente de nosso meio cultural, que, entre outras coisas, faz surgir obras como essa do Instituto Histórico e Geográfico de Goiás, sem técnica nem criatividade, elementos essenciais a uma obra de arte. Sucumbiu a interesses de um idealizador, autor da idéia, que impõe as cenas mostradas como uma colcha de retalhos e ainda se faz retratar em um rol de retratos medonhos, enaltecendo “grandes personagens” de nossa história.

Isso me faz lembrar aquelas obras surgidas nos regimes totalitários a serviço de interesses políticos, com a diferença que possuíam apuro técnico.

Os autores dizem todo o tempo que sua técnica é azulejaria portuguesa. Será para valorizar seu trabalho? O que fazem, na verdade, inclusive em outro painel que vi também no IHGG, é uma transposição de fotos decalcadas e queimadas sobre os azulejos, que sofrem depois alguns retoques, em um trabalho meramente artesanal.

Isso não é e nunca foi azulejaria portuguesa, até porque à época dos famosos azulejos portugueses não existiam fotografias. Como têm coragem de tornar público que uma obra destas custou R$ 152 mil e foi patrocinada pela Lei Goiazes de Incentivo à Cultura?

Na matéria se afirma que só o levantamento fotográfico feito pelos autores dava para compor um livro, mas eles preferiram “imprimir” em azulejaria as fotos. Arte não é levantamento fotográfico. Poderiam ter preferido compor um livro.

Wilson JorgeArquiteto/Artista plástico

Um comentário:

  1. A carta do arquiteto Wilson Jorge, que é também artista plástico e embora não tenha colocado aqui, é um dos arquitetos que possuem qualificação na área de restaução de patrimônio cultural edificado trata do grande problema dessa terra. A falta de conhecimento de técnicas artísticas, por parte dos gestores de instituições culturais, e que possuem uma enorme capacidade de manifestar-se em público baseados apenas na especulação ou no "achismo".Associado a isso, jornalistas "despreparados" e que dão credibilidade em tudo que qualquer ocupante de cargo de direção lhes diz. Assim se tornam incapazes de exercer um minímo de crítica, incapazes por que desconhecem o assunto que estão tratando. Então algumas questões devem ser levantadas:
    1 - Ocupante de cargo de direção é o mais qualificado para falar de assuntos especializados em GO?
    Resposta: NÃO.
    2 - As fontes de pesquisas existentes são inadequadas ou dificeis de serem localizadas?
    Resposta: Não
    2- Então por que os jornais continuam a publicar "asneiras" e mais "asneiras" quando o assunto é arte? Ou restauro?
    Resposta:Por que papel aceita tudo e espera-se que ninguém se dê ao trabalho de questionar. Ou quem sabe, o ideal é continuar cultivando a ignorância e a desinformação geral?
    Parabéns Wilson Jorge!

    ResponderExcluir